10 minutos de leitura

Vale a pena aprender Python em 2024? Relato pessoal

Por Adriano Soares
Conteúdos do artigo

Todos os anos, vemos artigos com títulos semelhantes a “Vale a pena aprender Python em 2024?” que geralmente têm o objetivo de vender algo ou algum curso no final. 

Por eu ser da Asimov Academy, uma escola de programação em Python, posso entender se você achar que minha opinião neste relato será tendenciosa e a favor dos nossos interesses. Eu não tenho como dizer que você está errado, mas serei honesto ao máximo com você.

Darei o meu relato sobre como aprender Python foi importante para mim, como isso mudou minha carreira e minha vida como um todo e como eu acredito que a mesma transformação pode acontecer com você.

O início da carreira como programador

Comecei a aprender a programar em 2013, incentivado por um amigo que cursava Ciência da Computação. Ele era um entusiasta da programação, como muitos programadores de fato são, e insistiu por meses para que eu aprendesse a programar.

Por fim, ele me convenceu e passou a me dar aulas semanais de Java. O início foi sofrido e tive muitas dificuldades para aprender. Mais por determinação do que qualquer coisa, consegui evoluir, mas pouco. Infelizmente, deixei a programação de lado por um tempo após me afastar desse amigo, porém sou muito grato pela experiência, pois a semente estava plantada e consegui entender um pouco do que a programação é capaz de fazer.

Dois anos depois, em 2015, comecei a trabalhar em uma gestora de investimentos na área de análises quantitativas, e esse foi meu primeiro emprego no mercado financeiro. Pelos meus conhecimentos em cálculo e probabilidade, rapidamente consegui me inteirar dos problemas e auxiliar na criação de modelos. 

O problema que via quando cheguei lá eram as ferramentas disponíveis. Lidávamos com um volume grande de dados (muitas vezes na casa dos milhões de linhas) e, por isso, utilizar o Excel estava se tornando inviável. Lembro-me de demorar uns 5 minutos só para abrir uma planilha. Fazíamos simulações escritas em VBA que demoravam horas, deixávamos rodando a noite inteira para vermos o resultado no outro dia. 

Tudo era muito demorado, o que nos atrasava e nos dava uma sensação de que não evoluíamos. Então, sugeri ao meu colega de trabalho (o Rodrigo Tadewald, que hoje é meu sócio na Asimov Academy) aprendermos a programar em Python. Isso porque já tinha ouvido falar que era uma linguagem simples e bem adaptada para manipulação de dados.

Essa sugestão mudou tudo!

A transformação após aprender Python

Focamos em aprender a programar em Python e utilizamos a linguagem para realizar todas as nossas análises. O trabalho que antes demorava horas, agora levava apenas 30 segundos, um resultado muito melhor do que esperávamos. Essa mudança transformou completamente nossa capacidade de análise e nos deu mais tempo, poder e flexibilidade para testar mais variações e modelos.

Fotografia do autor no início da carreira como programador em Python
Eu no início da minha carreira de programador

A partir daí nossa carreira fluiu e desenvolveu-se rapidamente. Começamos a usar Python não só para análise de dados, mas também para as mais variadas tarefas, como automatizar processos, capturar dados e automatizar algoritmos de operação. Conheci então toda a capacidade do Python e passei a fazer tudo o que imaginava utilizando apenas essa linguagem. 

De aspirante a entusiasta da programação

De aspirante, passei a ser um entusiasta da programação. Eu via meus colegas de trabalho sofrendo com tarefas laboriosas e repetitivas e falava para eles aprenderem a programar. No momento em que automatizei diversas das minhas próprias tarefas, percebi que tinha mais tempo para focar no que minha mente realmente nasceu para fazer: ser criativa, ter ideias novas e únicas. 

Com isso, percebi que muitas vezes a mente humana está sendo subutilizada no ambiente de trabalho. Nós, como espécie no topo da escala evolutiva, possuímos uma máquina incrível em nosso cérebro, que não deve ser desperdiçada com trabalho chato e repetitivo, os quais podemos automatizar com programação.

Além disso, programar me deu uma autoconfiança que eu não tinha antes. Até aquele momento, tudo o que havia aprendido foi por meio da formação acadêmica, seguindo passos, disciplinas e burocracias. Por outro lado, aprendi programação de forma completamente autodidata e ela se tornou tão importante quanto minha formação superior!

Comecei então a confiar mais na minha capacidade de me instruir por conta própria, da forma que considero mais adequada para meus objetivos, minhas qualidades e limitações. Hoje, acredito que sou capaz de aprender qualquer coisa sozinho, e essa sensação de poder é o que me torna um profissional proativo e útil para minha empresa.

Por que vale a pena aprender Python?

Com o tempo, também percebi que tive muita sorte ao escolher Python como a linguagem de programação na qual focar. Já havia começado a aprender Java e achava a sua sintaxe difícil, o que tornava a experiência de aprendizado muito pesada.

Também aprendi VBA, mas achava muito limitada, pois servia apenas para tratar dados de uma planilha do Excel. Python resolve esses dois problemas, é uma linguagem de sintaxe mais simples que VBA e Java (na verdade, desconheço uma linguagem mais simples que Python), o que a torna mais fácil de aprender. Ao mesmo tempo, é uma linguagem flexível, adaptada para tarefas diversas, desde análise de dados, projetos de Inteligência Artificial (IA) e Machine Learning, até desenvolvimento web e de jogos.

Além disso, sempre digo que Python é uma linguagem provada pelo tempo. Todo ano surge uma nova linguagem de programação que dizem ser a melhor do mundo por n razões. Essas mesmas linguagens desaparecem mais rápido do que uma gota de orvalho e, no ano seguinte, ninguém mais se lembra delas.

Python está no mercado há mais de 30 anos (o que, na programação, é muito tempo), é uma linguagem utilizada por diversas empresas e a sua comunidade só tem crescido. Essa comunidade desenvolve recursos continuamente para Python, adicionando à linguagem novas capacidades e mais eficiência. É um ganho incremental dado por tantas pessoas diferentes ao redor do mundo que é difícil outra linguagem desenvolver novos recursos tão rapidamente quanto Python.

Último conselho: aprenda a programar!

Poderia citar vários outros motivos para aprender Python, tais como: ser uma das linguagens que mais cresce, os programadores tendem a ter bons salários, e assim por diante. Mas isso você pode ler em todos os outros artigos do estilo “Vale a pena aprender Python em 2024?”.

O que eu gostaria de deixar como última mensagem é: aprenda a programar! Automatize suas tarefas, não desperdice o potencial da sua mente. Utilize-a no que ela faz de melhor – ser criativa! 

E, se você já está aprendendo a programar e já notou o poder que isso pode trazer para sua vida, deixe seus relatos aqui nos comentários. Vamos juntos fazer a comunidade de programadores crescer e disseminar a programação como uma ferramenta para todos.

Inscreva-se gratuitamente e fique atualizado

Receba toda semana um resumo dos principais conteúdos da Asimov direto no seu e-mail. 100% livre de spam.

Áreas de interesse:
Conteúdos do tutorial